Fórmula Química: CuSO4


Identificação do processo de formação dos cristais: Precipitação

Identificação do ambiente natural reproduzido na experiência: Sedimentar

Problema:
Qual o processo de formação de cristais de sulfato de cobre?

Teoria:
Processos de formação de cristais em ambientes sedimentares


Princípios:

Rocha Quimiogénica

Uma rocha quimiogénica é uma rocha sedimentar formada a partir de um processo de precipitação de Substâncias químicas dissolvidas numa solução aquosa - quimiogénicos sedimentos. A precipitação destas Substâncias pode dever-se à evaporação da água, formando-se cristais que se acumulam e que constituem os EVAPORITOS. Também se pode dever a outras Reacções químicas desencadeadas pela alteração das Condições do Meio.
Rocha sedimentar de precipitação

Designação das Rochas constituídas por precipitados que foram provocados por fenómenos físicos, químicos ou biológicos. Atendendo a homogeneidade da composição destas rochas, costumam ser classificadas como: cloretadas rochas (sal-gema), sulfatadas rochas (gesso e anidrito) rochas carbonatadas (estalactites) siliciosas e rochas (sílex).


O que é um Cristal?

Um cristal é uma massa sólida homogénea com formas poliédricas limitada exteriormente por superfícies planas. Para referir uma forma naturalmente assumida por um cristal, utiliza-se os adjectivos euédrico ou idiomorfo, se o seu contorno é delimitado exclusivamente por rostos, subédrico, se o seu contorno apresenta faces e superfícies irregulares e anédrico ou xenomorfo, se não existe qualquer rosto.
A estrutura interna dos cristais é caracterizada por um arranjo regular das partículas elementares, isto é, átomos, moléculas ou iões, no espaço, de tal maneira que a mesma configuração se repete segundo três dimensões em intervalos regulares, designando-se então uma estrutura por malha espacial, Retículo ou Rede espacial. Pode Apresentar vairações de estrutura (Devido de impurezas, descontinuidades livres, átomos).



Cristalização

A cristalização de um constituinte de uma fase líquida consiste na sua separação por formação de uma fase sólida cristalina.
Os cristais podem ser obtidos através de processos físicos, resultantes do arrefecimento da solução ou evaporação do solvente ou de Processos Químicos, resultantes da adição de agentes precipitantes.
As Etapas Fundamentais para se realizar uma cristalização são: a escolha do solvente, a solução da preparação, o arrefecimento e a recuperação dos cristais.


Depois do solvente escolhido, è necessario preparar uma solução com uma amostra e purificar o solvente a quente. Como a solubilidade aumenta com a temperatura da elevação, e diminui com o decréscimo da mesma, ao adicionar um purificador, o composto e o solvente, obtém-se uma solução homogénea, dado que todo o composto se dissolva.
Deve-se preparar uma solução saturada para que a cristalização seja eficaz e rápida.
Depois é necessário arrefecer a solução. A velocidade de arrefecimento influencia o tamanho eo número de cristais produzidos. Se o arrefecimento for demasiado rápido formam-se pequenos cristais e se o arrefecimento for lento formam-se poucos cristais mas de dimensões maiores.


sulfato de cobre (II)
O sulfato de cobre (II) um sólido é azul cuja fórmula química é CuSO4.5H2O. É também conhecido como vitríolo azul.
Das cinco moléculas de água que apresenta, este composto perde quatro moléculas de água a 110 º C e a quinta molécula de água a 150 º C, formando-se um composto anidro Branco, rômbico e de densidade relativa de 3,6.

Conceitos: Rocha quimiogénica, cristal, precipitação, cristalização, sulfato de cobre, dissolução solvente, soluto, solubilidade, Substância química, evaporação, evaporitos.

Procedimentos:

1 - Num gobelé preparamos,agitando MUITO BEM, uma solução saturada de sulfato de cobre.
2 - Colocamos sobre uma lâmina de vidro uma gota da solução ainda quente.
3 - Observamos uma lâmina ao microscópio.
4 - Fotografámos, com ampliação à mesma, uma sequência de desenvolvimento dos cristais de sulfato de cobre.


Resultados
DSCN0326.JPG
Figura 1 - Saturação da solução de sulfato de cobre, Através do Aumento da temperatura






06_50x.jpg
Figura 2 -- Observação da formação de cristais de sulfato de cobre ao microscópio




12_50x.jpg
Figura 3 - Observação da formação de cristais de sulfato de cobre


06_100x.jpg
Figura 4 - Observação da formação de cristais de sulfato de cobre



002.jpg
Figura 5 - Observação da formação de cristais de sulfato de cobre






DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

Nesta experiência verificamos uma formação de cristais de sulfato de cobre em ambientes sedimentares. Foi possível verificar um crescimento e desenvolvimento dos cristais de forma rápida e progressiva. Foi também possível verificar através do vídeo realizado alguns cristais que se agregaram a dos outros durante uma cristalização. Na Natureza, este processo é condicionado pela temperatura, pela rede cristalina do mineral e pelo espaço disponível.

Conclusão

Foi possível, então, verificar uma cristalização do sulfato de cobre que se dá em ambiente sedimentar pelo processo de precipitação.

Bibliografia:
Diciopédia 2009
Diciopédia X